Prima de cantor morto diz ter recebido áudios de suspeitos: debocharam

Mulher contou que traficantes também mandaram fotos do crime. Vítima foi enterrada na tarde desta terça-feira (7), em Salvador.

Uma prima do cantor e compositor Felipe Yves, de 21 anos, encontrado morto em um matagal no bairro de Boca da Mata, em Salvador, disse nesta terça-feira (7) que a família da vítima recebeu, por meio de uma rede social, fotos e áudios com “deboches” de traficantes suspeitos de cometer o crime.

O cantor, que já foi compositor de músicas cantadas por Igor Kannário e Léo Santana, foi enterrado, à tarde, no cemitério Bosque da Paz, no bairro de Nova Brasília. “As pessoas debocharam mandando áudio, dizendo que tinham matado ele. Tiraram fotos. Ele foi amarrado a uma árvore, como se fosse um bicho, sem direito de defesa”, afirmou Petrusca de Jesus, a prima de Felipe.

Ainda não há informações sobre como os traficantes conseguiram os contatos dos familiares da vítima para enviar os áudios e as fotos do crime. Durante o enterro, bastante emocionadas, a mãe e a esposa do cantor não falaram com a imprensa. O irmão precisou ser amparado por um amigo e também não deu entrevista.

Felipe estava desaparecido desde a noite de domingo (5). Segundo os familiares, ele estava na casa da mãe quando recebeu uma ligação, por volta das 22h, e saiu. O corpo dele só foi encontrado no início da tarde de segunda-feira (6), na localidade conhecida como Independência, em Boca da Mata. O corpo dele só foi identificado nesta terça-feira (7) pelos parentes.

Os familiares contam que, há cerca de sete meses, Felipe começou a frequentar uma igreja evangélica e decidiu cantar música gospel. Amigos que planejavam lançar um CD com Felipe disseram que ele estava muito feliz com a futura carreira.

“Ele sempre falava que já estava perto do CD, que já estava com dez músicas. A gente tinha música juntos. Ele contagiava a gente com a alegria dele. Sempre foi brincalhão e sempre foi sorridente. Todo mundo gostava dele”, disse o pregador e amigo Gabriel Borges.

Suspeito procurado
Um suspeito de envolvimento no crime foi identificado. Trata-se de Ueslei Silva Sarinho, de 22 anos, que já é investigado pela políca e tem um mandado de prisão em aberto por tráfico de drogas. O DHPP informou que já solicitou à Justiça a prisão preventiva de Ueslei pelo homicídio.

Em nota, o delegado Guilherme Machado, coordenador da 2ª Delegacia de Homicídios (DH/Central) e que está à frente das investigações, disse que as buscas pelo traficante continuam. A polícia também tenta identificar outros suspeitos de participar do crime. “Ueslei era alvo nosso, já vinha sendo investigado pelo DHPP e tinha mandado de prisão em aberto”, disse o delegado.

A polícia infomrou que quem tiver pistas sobre Ueslei ou sobre os outros suspitos do crime, pode entrar em contato pelo Disque Denúncia, no telefone (071) 3235-0000. O sigilo é garantido.

Vítima teria dito nome de rival a traficantes
De acordo com a polícia, as investigações dão conta de que Yves teria ido ao bairro de Boca da Mata para visitar uma amiga.

Ao chegar no local, ele foi abordado por trafiucantes. Na tentativa de se livrar da situação, ele disse que era primo de um traficante da localidade. Entretanto, a pessoa citada pelo cantor é rival do grupo responsável pela abordagem e, por isso, ele teria sido morto.

Felipe Yves teve a cabeça semi-degolada pelos bandidos. Ele não tinha passagens pela polícia. Por telefone, o irmão da vítima disse que o cantor era um menino de bem e classificou o crime como uma maldade.

“Quando você chega a um lugar que tem guerra de gangues as pessoas te conhecem e aí vem uma pessoa de fora e pergunta: você é de onde? Você veio de onde? E por mais que ele tenha dito que não tinha nenhum envolvimento, não acreditaram”, disse a prima de Felipe, Petrusca de Jesus.

Crime
O cantor e compositor Felipe Yves foi encontrado morto em um matagal no bairro de Boca da Mata, em Salvador, na segunda-feira (6). Segundo informações da polícia, a vítima tinha marca de tiros e estava com a cabeça semi-degolada.

Felipe Yves ficou conhecido como cantor da banda Golaço, e por compor a canções “Bumbum no paredão”, interpretada por Léo Santana, e “Depois de nós, é nós de novo”, cantada pelo músico e vereador de Salvador, Igor Kannário. Em fevereiro deste ano, Felipe usou uma rede social para avisar aos fãs que passaria a cantar apenas músicas gospel.

g1

08/03/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *